Logo PCR

Recife fez o maior e melhor carnaval de rua do Brasil em clima de paz e inclusão

06.03.19 - 15H39
Recife fez o maior e melhor carnaval de rua do Brasil em clima de paz e inclusão
FOTO: Andréa Rego Barros

Folia de Momo atraiu 1,6 milhão de pessoas, que assistiram 2.700 apresentações em 45 polos espalhados pela cidade; Hotéis da cidade registraram 97% de ocupação no período 

Os números não deixam dúvidas e confirmam que o Recife fez este ano o Carnaval mais democrático, popular e inclusivo do País. O folião brincou, frevou e se divertiu nos 45 polos montados pela Prefeitura do Recife na cidade. A festa atraiu 1,6 milhão de brincantes, entre recifenses e visitantes, que aproveitaram as 2,7 mil apresentações. Na coletiva de balanço do Carnaval nesta Quarta-Feira de Cinzas, no Paço do Frevo, o prefeito Geraldo Julio comemorou a organização da festa e a movimentação econômica no período.

"O diferencial desse ano foi a organização e o comportamento do folião. Tivemos 1,6 milhão de pessoas brincando nas ruas do Recife e foi um Carnaval da paz, da espontaneidade, da brincadeira e da alegria. Alguns serviços, como a mobilidade, também tiveram destaque este ano, porque as pessoas tiveram mais facilidade para chegar e no sair do Bairro do Recife", afirmou o prefeito.

O viés econômico promovido pela festa também teve destaque no Carnaval este ano. O prefeito grifou a organização da festa como fator principal para estimular a movimentação econômica. "Quanto mais organizado o Carnaval, mais pessoas trabalham e geram sua renda. Mais turistas e foliões voltam para o ano que vem. Com isso, o Recife faz o maior e melhor Carnaval de rua do Brasil e também o mais organizado", acrescentou Geraldo. 

No Recife Antigo, coração da festa, a programação abriu alas para todos os recifenses, assegurando protagonismo, acolhimento e visibilidade aos mais diversos públicos, com camarote da acessibilidade para cadeirantes e surdos, tradução de Libras de todos os shows do maior palco da festa e campanha de combate à violência contra a mulher, para garantir um Carnaval plural.

"Demos um destaque muito forte na questão da inclusão, sobretudo na abertura do Carnaval, com 20 bailarinos cadeirantes se apresentando em cima do Marco Zero, além da infraestrutura que a gente montou nos 45 polos para atender aos deficientes. Os intérpretes de libras também ficaram em cima do palco o tempo inteiro, inclusive durante as músicas e isso foi uma novidade muito grande, até mesmo para alguns artistas", explicou Geraldo. 

A ocupação hoteleira do Recife no Carnaval chegou a 97%, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis em Pernambuco (ABIH-PE). A movimentação no Aeroporto Internacional dos Guararapes, entre a segunda-feira (pré Carnaval) até a terça-feira de Carnaval, foi de 226,4 mil pessoas, um aumento de 11,9% em relação ao mesmo período do ano passado. No Terminal Rodoviário do Recife (TIP), passaram cerca de 45 mil passageiros, um aumento em torno de 15% em relação ao movimento normal.

Para a secretária de Turismo, Esportes e Lazer, Ana Paula Vilaça, os números positivos são motivos para comemoração e ela acrescentou que alguns hotéis atingiram 100% de ocupação. "Esses são números importantes, pois mostram a movimentação de toda a cadeia do turismo - são os hotéis, os bares, os taxistas, as tapioqueiras, toda economia fica aquecida", explicou Ana. Segundo ela, a média de gasto do turista na cidade é de R$ 250 por dia. 

A celebração à cultura pernambucana, em todas as suas tradições, levou mais de 1.050 artistas para cima dos palcos da cidade, além de 672 apresentações de agremiações. Só no Marco Zero, na Rua da Moeda e na Praça do Arsenal, palcos localizados no coração da folia, foram 134 shows em cinco dias de festa.

O presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife, Diego Rocha, mencionou a preferência por artistas da terra, que formam 99% da programação no Carnaval. "A cultura pernambucana é muito rica e nossos artistas dão conta do recado. Por isso, a gente valoriza e coloca eles em todos os polos. Não só no Marco Zero, mas também nos polos do seu bairro", grifou ele. 

Outro destaque da festa foi a campanha contra o assédio O Pequeno Manual Prático de Como não ser um Babaca no Carnaval que tomou conta do Brasil. Só no Instagram da humorista e influenciadora Alcione Alves (@alcionealves27), parceira na ação, mais de meio milhão de pessoas visualizaram o clipe. O conteúdo também foi compartilhado por perfis relevantes, como Mídia Ninja, Quebrando o Tabu, Mete a Colher e Garotas Estúpidas.

Nos canais da Prefeitura do Recife e Carnaval do Recife, mais de 900 mil pessoas foram impactadas organicamente (sem uso de patrocínio) pelo clipe. Houve mais de 55 mil interações (reações e comentários) e mais de 4 mil compartilhamentos. E outras 120 mil pessoas foram impactadas pelo manual na sua versão ilustrada. O tema também foi abordado na decoração oficial do Carnaval do Recife no ano em que ocorreu o primeiro Carnaval após a nova Lei do Assédio.

Categoria de Artigo